Pular para conteúdo
Celebrating the trail-blazing women of ACS on International Women’s Day - banner

Celebrando as mulheres pioneiras da ACS no Dia Internacional da Mulher


Um piloto uma vez disse: “Voar é mais do que um esporte e mais que um trabalho; voar é pura paixão e desejo, que preenche toda uma vida”. É a paixão por voar que atrai as mulheres para a aviação há milênios. Muitas se tornaram algumas das maiores aviadoras da história, enquanto outras trabalham nos bastidores para manter os motores ronronando, aviões no céu, aeroportos funcionando sem problemas e passageiros partindo e chegando com segurança aos seus destinos. Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher, homenageamos as mulheres da ACS e as mulheres da aviação em todo o mundo, que acreditam que “um quilômetro de estrada levará você a apenas um quilômetro, mas um quilômetro de pista levará você a qualquer lugar”.

O Dia Internacional da Mulher de 2019 tem tudo a ver com o equilíbrio dos gêneros

Pink Venus symbol on International Women’s Day banner
Pink Venus symbol on International Women’s Day banner

Em 8 de março, homens e mulheres celebrarão o Dia Internacional da Mulher (IWD) em todo o mundo. Desde 1909, quando o Partido Socialista da América organizou o Dia da Mulher em Nova York, um evento foi realizado todos os anos em vários pontos do globo para chamar a atenção para os direitos das mulheres e os vários problemas e desafios que afetam mulheres e meninas. O dia 8 de março tornou-se o dia oficial de celebração e ativismo depois que as mulheres alcançaram o sufrágio na Rússia Soviética em 1917. O dia era observado quase exclusivamente em países comunistas até que a ONU comemorou a data em 1975, que também foi o Ano Internacional da Mulher. Foi somente em 1977 que a Assembleia Geral da ONU pediu aos Estados membros que fizessem do dia 8 de março um dia oficial para os direitos das mulheres e a paz mundial.

O tema do Dia Internacional da Mulher de 2019 é #BalanceforBetter (Equilíbrio para melhor). Em outras palavras, quanto melhor o equilíbrio dos gêneros em todo o mundo, melhor o mundo. Então, como a indústria da aviação se molda quando se trata de promover um mundo com equilíbrio dos gêneros?

Ainda há muito trabalho a ser feito em uma indústria que continua dominada por homens. Segundo o Center for Aviation (CAPA), um estudo de 2015 descobriu que menos de 5% de todos os CEOs de companhias aéreas eram mulheres. Mas observou que mais empresas estavam se concentrando na igualdade de gênero em uma força de trabalho equilibrada. A Air Charter Service (ACS) é uma das empresas que valoriza a contribuição das mulheres em sua força de trabalho. A empresa tem várias mulheres em cargos executivos e apoia a entrada de mais mulheres na indústria.

Um exemplo é Georgina Heron, Diretora da Private Jets London. Ela começou a trabalhar para a ACS em 2008, depois de se formar na universidade, e agora gerencia uma equipe de 25 gerentes de contas, todos com seu próprio portfólio de clientes. Seu conselho para as mulheres que estão pensando em começar uma carreira na aviação é: “Trabalhar duro, ser comprometida, proativa e sempre disposta a aprender. Há muito mais mulheres na indústria agora, que tornou-se muito mais equilibrada em comparação com os eventos do passado, que costumavam ser fortemente masculinos, como um clube de meninos”.

Nos ombros das gigantes pioneiras femininas da aviação

Mesmo nos dias em que as mulheres usavam vestidos grandes e chapéus com babados, elas estavam indo para o céu. A primeira mulher a voar foi a francesa Élisabeth Thible, de 19 anos. O ano era 1784 e Élisabeth, vestida como a deusa Minerva, ansiosamente tomou o lugar do conde Jean-Baptiste de Laurencin, que estava nervoso demais para assumir o voo de balão em Lyon. Depois de um voo bem-sucedido, os espectadores do dia assistiram, chocados, quando o balão se abriu no topo ao tocar o solo na descida e a lona caiu sobre eles. Um dos ocupantes do balão abriu caminho com uma faca e foi resgatar Élisabeth, quando descobriu que ela havia conseguido sair do perigo – longe do estereótipo da mulher tímida. O aeronauta amador M. Fleurant creditou à Élisabeth o sucesso do voo, ressaltando que ela alimentou a fornalha durante toda a jornada. Ela também cantou dois duetos de La Belle Arsene de Monsigny, uma ópera famosa na época, durante a subida do balão.

É improvável que Élisabeth ou qualquer um dos espectadores naquele dia pudesse imaginar que uma mulher um dia pilotaria um ônibus espacial. Em uma entrevista pré-voo como comandante do Ônibus Espacial STS-114 em 2005, Eileen Collins disse à NASA: “Meus heróis foram os astronautas que vieram antes de mim e os pilotos de testes e mulheres que voaram na Segunda Guerra Mundial e as mulheres que passaram por testes médicos para o programa Mercury. Todas essas pessoas sobre quem eu lia enquanto eu crescia até o ensino médio e a faculdade me influenciaram de uma forma positiva.”

Durante o STS-114, Eileen tornou-se a primeira astronauta a pilotar o Ônibus Espacial por meio de uma manobra completa de campo de 360 graus. Isso era necessário para que os astronautas a bordo da ISS pudessem tirar fotos da barriga do ônibus, para garantir que não houvesse ameaça de danos causados por detritos da nave na reentrada. Eileen foi a primeira mulher a pilotar o Ônibus Espacial Discovery STS-63 em 1995, que se encontrou com a estação espacial russa Mir. Ela também pilotou o STS-84 em 1997 e foi a primeira comandante feminina de uma espaçonave americana com a missão STS-93, lançada em julho de 1999, que implantou o Chandra X-Ray Observatory. Eileen se aposentou como astronauta da NASA e coronel da Força Aérea dos EUA, tendo recebido várias medalhas por seu serviço na aviação e no aeroespaço.

São mulheres como Eileen que inspiraram as gerações seguintes a seguir seus sonhos e continuar a marcar a indústria da aviação. Fran Bennett, Gerente Global de Serviços de Voo da ACS em Londres, descobriu que, embora muitos lugares tenham aceitado a presença de mulheres na indústria, em alguns lugares, antigos preconceitos ainda existem no setor. “É triste dizer, mas, em algumas partes do mundo, porque você é uma mulher, as pessoas nem sempre escutam seu ponto de vista imediatamente na solução de um problema, ou culturalmente acham que é errado você estar no check-in levantando 200 malas até as esteiras de bagagem (quando, na verdade, sua ajuda aceleraria o trabalho e os passageiros iriam mais cedo).

“A quantidade de vezes que as pessoas telefonaram para o escritório e pediram para falar com o 'Sr. Fran' ou me procuraram inutilmente em um aeroporto porque estão procurando um homem. Acredito que através dos relacionamentos que construí ao longo dos anos, permitindo que clientes e fornecedores confiassem em mim, isso foi removido de algumas áreas da minha vida profissional. Mas quando são clientes ou fornecedores novos, às vezes você precisa trabalhar duro para construir a confiança. ”

Fran começou inicialmente com a ACS em 2014, como Gerente Sênior - Serviço de Voo de Jatos Comerciais no Escritório de Londres. Depois de seis meses na ACS, ela se envolveu na ajuda a outros escritórios com a organização de seus voos mais complicados e no treinamento de seus departamentos de Serviço de Voo. Em janeiro de 2018, foi promovida a seu cargo atual, o que significou um afastamento da organização diária dos voos de Londres para se concentrar em voos e aeroportos complexos, além de grandes projetos.

O conselho de Fran para mulheres começando na indústria da aviação? “Certifique-se de que você saiba do que está falando. Isso lhe dá mais credibilidade e pode ajudar a derrubar algumas das barreiras de gênero que infelizmente ainda enfrentamos em alguns lugares. Além disso, faça muitas perguntas. Isso ajuda você a desenvolver seu conhecimento do setor. Apenas tente. Quando você entra no mundo da aviação, é muito difícil pensar em trabalhar em um setor diferente. Há sempre coisas novas para aprender e novos problemas para resolver. Mesmo que você lide com as mesmas companhias aéreas e clientes, não há dois dias iguais.”

A jornada de balão para piloto de caça

Black and white image of Nancy Harkness Love in her plane
Black and white image of Nancy Harkness Love in her plane

Quatro anos depois de Élisabeth Thible ter cantado a ópera e alimentado a fornalha ao se tornar a primeira mulher na história a voar, Jeanne Labrosse fez o primeiro voo solo feminino de balão. Ela foi seguida, em 1804, por Sophie Blanchard, que se tornou uma aeronauta profissional. Em 1811, Napoleão a havia nomeado chefe de serviço aéreo. Foram necessários outros 92 anos para uma mulher pilotar uma aeronave motorizada: Aida de Acosta, uma americana de férias em Paris que convenceu Alberto Santos-Dumont, um pioneiro de dirigíveis, a permitir que ela pilotasse.

Mas foram as duas Guerras Mundiais que estabeleceram as mulheres como pilotos e mecânicas de aviação. A tarefa foi liderada por mulheres como Helene Dutrieu da França e a princesa Eugenie Shakhovskaya da Rússia, que voaram como pilotos de reconhecimento. Foi a turca Sabiha Gokcen que teve a honra de ser a primeira mulher militar a pilotar em missões de combate em 1937. Na Segunda Guerra Mundial, as mulheres surgiam nos campos de pouso e entravam no cockpit em peso. A União Soviética tinha três regimentos principalmente femininos pilotando em missões de combate: os 588º Regimento de Bombardeio Aéreo em biplanos PO2, o 587º Regimento de Bombardeio voando em aviões PE2 e o 586º Regimento de Caça voando em defesa aérea em YAK-1s.

Nos EUA, somente em 1942 mulheres como Jacqueline Cochran e Nancy Harkness Love – com a defesa de Eleanor Roosevelt – puderam atuar como pilotos nas forças armadas. Jacqueline foi encarregada do Destacamento de Treinamento de Voo das Mulheres da Força Aérea do Exército (WFTD), que se fundiu um ano depois com a unidade Mulheres Pilotos de Serviço da Força Aérea (WASP), que apoiou as forças armadas pilotando aeronaves das fábricas para as bases da Força Aérea do Exército. Elas também eram pilotos de teste, motoristas de avião e alvos transportados para a prática de artilharia antiaérea. Apesar de dissolvido em 1944, somente após 1979 as WASPs receberam o status de veteranas.

Mas as mulheres tiveram que esperar até a década de 1990 para assumir oficialmente seu lugar como pilotos de caça em forças aéreas ao redor do mundo. Sally Cox e Julie Ann Gibson se tornaram as primeiras a fazer voo solo em 1990 para a Royal Air Force. Nos EUA, a proibição de mulheres que voam em missões de combate foi suspensa em 1991 e as mulheres foram rápidas em avançar. Jeannie Marie Leavitt tornou-se a primeira mulher piloto de caça em 1993 e a primeira mulher a comandar uma ala de caças de combate da USAF. No ano anterior, a tenente Kelly J. Franke foi a primeira mulher piloto a conquistar o prêmio Piloto do Ano da Associação de Helicópteros Navais e posteriormente voou 105 missões de apoio, sendo citada por conquistas extraordinárias na aviação, por 664,2 horas de voo sem acidentes.

As mulheres estavam conseguindo feitos semelhantes em todo o mundo. Nina Tapula foi a primeira mulher piloto militar na Zâmbia. Na Índia, Harita Kaur Deol tornou-se a primeira mulher piloto solo militar com apenas 22 anos de idade. Kendra Williams completou o treinamento de piloto da Força Aérea do Zimbábue em 1996, enquanto Caroline Aigle pilotou o Mirage 2000-5 para a Força Aérea Francesa. Em 2007, a major Mariam Al-Mansouri foi a primeira mulher piloto de caça dos Emirados Árabes Unidos. Ela disse: "Tanto os homens quanto as mulheres têm o direito de trabalhar em qualquer campo, desde que façam isso com lealdade, determinação e persistência".

Mulheres como Barbara Barrett continuaram a defender intensamente mais oportunidades para as mulheres nas forças armadas que sejam mais inclusivas. A carreira de Barbara como piloto por instrumentos e a primeira mulher civil a pousar em um F/A-18 Hornet em um porta-aviões é distinta. Ela também é ex-vice-presidente do Conselho de Aeronáutica Civil dos EUA e ex-vice-administradora da Federal Aviation Administration (FAA). Como se isso não bastasse, ela recebeu treinamento de astronauta como participante de voos espaciais de reserva para o voo Soyuz TMA-16 para a Estação Espacial Internacional.

Mulheres de voo extremo – pilotos de teste e astronautas

A primeira mulher piloto de testes que se conhece é Ann Baumgartner Carl – uma WASP durante a Segunda Guerra Mundial. Sua destreza em pilotar garantiu a ela uma transferência para Wright Field, em Dayton, Ohio, em 1944, onde pilotou o jato experimental Bell YP-59A. Um ano depois, Rosamund Steenkamp, uma sul-africana, levou um Gloster Meteor III ainda em fase de testes para o Serviço Auxiliar do British Air Transport.

Outras mulheres que voaram como pilotos de teste para a Grumman Aircraft na Segunda Guerra Mundial incluem Elizabeth Hooker, Teddy Kenyon e Barbara Kibbee Jayne. Essas mulheres corajosas pilotaram F6F Hellcats saindo da linha de montagem. Estas aeronaves seriam vitais na guerra naval contra o Japão.

Em 1959, as mulheres deram alguns passos à frente quando Jerrie Cobb, que entregou caças militares e bombardeiros da USAF a países do mundo inteiro, foi escolhida como a primeira mulher a realizar os difíceis testes de seleção de astronautas. Mesmo ela tendo passado em todas as três fases de testes, ela foi proibida de voar para o espaço por ser mulher.

Outra mulher que participou do treinamento preliminar de astronautas foi Wally Funk. Ela se tornou a primeira mulher a ocupar o cargo de inspetora da FAA em 1971. Três anos depois, passou para a National Transportation Safety Board (NTSB), onde se tornou uma das primeiras investigadoras de segurança aérea do Conselho, em 1974.

A primeira mulher a voar para o espaço foi a russa Valentina Tereshkova. Antes do voo que Valentina foi escolhida para pilotar em 1963, ela e outras quatro mulheres passaram por 18 meses de treinamento. Ela passou quase 70 horas no espaço e orbitou a Terra 48 vezes na cápsula Vostok 6, mas o voo não correu tão bem quanto o planejado. Um erro no software de navegação automática da espaçonave significou que a espaçonave começou a se afastar da Terra, mas Valentina percebeu isso e os cientistas tiveram que criar rapidamente um novo algoritmo de pouso. Valentina sorria durante todo o calvário enquanto os telespectadores soviéticos e europeus olhavam, sem perceber que havia algo de errado. Ela conseguiu pousar em segurança com nada mais sério do que um hematoma no rosto. Sua citação ficou famosa: "Se as mulheres podem trabalhar em ferrovias na Rússia, por que não podem voar no espaço?"

Christina Marmara, diretora da Commercial Jets West Coast, Los Angeles, não esteve no espaço – mas fretou para a NASA e tem experiência direta em trabalhar com algumas das maiores empresas, bandas e times esportivos do mundo. Para as mulheres que começam no setor, ela diz: “Você aprenderá muito sobre si mesmo – como você lida com a pressão, o quanto você pode se esforçar e se motivar para continuar alcançando mais. Você conhecerá pessoas incríveis e fará contatos em todas as partes do mundo em todos os setores.”

“A melhor coisa sobre a CommJ é que você trabalha com todos, desde times esportivos até VIPs, militares e pessoas de todo o mundo. Você pode ter uma visão sobre filmagem e produção, concursos públicos, eventos VIPs e viajar ao mesmo tempo, então você se torna uma espécie de camaleão e consegue se adaptar a diferentes ambientes. Você também obtém um bom equilíbrio entre ter uma rotina no escritório, mas ser capaz de ir e estar no local e ver tudo se organizar quando você quiser sair de trás de uma mesa.”

A aviação vira comercial – e as mulheres também

Os irmãos Wright tornaram-se nomes conhecidos depois de seu primeiro voo motorizado em 17 de dezembro de 1903. Mas a maioria nunca ouviu falar de Katharine Wright. Essa mulher extraordinária era irmã de Orville e Wilbur e recebeu os créditos por manter os negócios dos Wright funcionando, além de angariar apoio para seus empreendimentos, encantar a mídia em suas viagens ao exterior e voar em voos de demonstração com seus irmãos na França em 1909. Wilbur disse sobre sua irmã: "Se o mundo algum dia pensar em nós em conexão com a aviação, deve lembrar-se de nossa irmã". Infelizmente, esse nem sempre foi o caso. Mas, apesar da falta de reconhecimento, as mulheres têm sido fundamentais para transformar as viagens aéreas de um passatempo novo – e muitas vezes perigoso – ao transporte preferido de quatro bilhões de pessoas por ano.

A primeira mulher a pilotar uma aeronave de transporte de correio aéreo dos Estados Unidos com regularidade foi Helen Richey em 1934. Embora fizesse um ótimo trabalho como co-piloto da Central Airlines, seus colegas do sexo masculino não permitiam que ela se juntasse ao sindicato e lhe disseram que ela não podia voar em mau tempo. Nada impediria Richey de ganhar os céus, por isso ela pediu demissão para se juntar a Louise Thaden no Departamento de Marca Aérea do Escritório de Comércio Aéreo. Somente em 1973, quando Emily Howell Warner assumiu um cargo na Frontier Airlines, uma mulher teve permissão para voar permanentemente para uma companhia aérea de voos regulares dos EUA.

Enquanto isso, e particularmente durante a década de 1960, as mulheres ingressaram na aviação comercial principalmente como aeromoças (hoje conhecidas pelo termo “comissárias de bordo”). Devido a uma dose pouco saudável de estereótipos, essas mulheres eram frequentemente vistas como aventureiras glamourosas e exóticas. O que se seguiu foi uma infeliz cultura de mulheres bonitas de saias curtas que não podiam se casar ou ter filhos se quisessem manter seus empregos, e que sempre se aposentavam aos 32 anos de idade. Hollywood adorou essa nova era do glamour da aviação e romances como Girl on a Wing, de Bernard Glemser, foram seguidos pelo filme Come Fly With Me e o hit de Frank Sinatra de mesmo nome, assim como o best-seller de 1967, Coffee, Tea or Me? Em 1971, uma companhia aérea americana usou o slogan: “Eu sou Cheryl. Voe comigo."

Na época, muitas dessas mulheres trabalhadoras tinham os olhos em outros empregos na aviação comercial. Na Austrália, Olga Tarling tornou-se a primeira mulher controladora de tráfego aéreo em 1960, e na Inglaterra, Yvonne Pope Sintes e Frankie O'Kane fizeram as honras. Pope Sintes tornou-se instrutora de voo e a primeira mulher piloto comercial no Reino Unido.

Várias mulheres em todo o mundo estavam em um caminho semelhante de carreira na aviação. Ada Brown, estimulada por suas experiências como comissária na United Airlines em 1940, sabia que havia uma necessidade de reconhecer e lidar com a discriminação generalizada que as comissárias enfrentavam no trabalho. Então, ela, junto com um grupo de parceiras de voo e quase 300 mulheres, fundou o primeiro sindicato para Comissárias de Bordo do mundo na United em 1945 - a Air Line Stewardess Association (ALSA). Hoje, graças aos esforços de Ada Brown em favor de suas colegas comissárias, outras 25 operadoras são representadas pelo sindicato, que cresceu da ALSA e se tornou a Associação de Comissários de Bordo.

Eva Piesiak, diretora de jatos comerciais da ACS Canada, diz que muitas vezes perguntam a ela se é comissária de bordo quando ela diz que trabalha na aviação, um estereótipo que ela gosta de quebrar. Ela diz: “A indústria da aviação é historicamente dominada por homens. Achei desafiador ser levada a sério por clientes, pilotos, executivos de companhias aéreas, oficiais de alfândega, mecânicos e abastecedores de aeronaves. Aprendi cedo como falar com as pessoas pessoalmente ou por telefone para obter o respeito delas e poder realizar a tarefa que tinha em mãos. Trabalhei duro para estar onde estou, e ainda acho difícil processar que, quando digo a alguém (homem ou mulher) que trabalho na aviação, perguntam se sou comissária de bordo como se fosse a única coisa que a sociedade pensa que as mulheres fazem na aviação. Fico feliz em ver isso finalmente começando a mudar.”

Eva, que é formada em Administração com Especialização em Gestão de Aviação Comercial, tem esse conselho para mulheres que pensam sobre uma carreira na aviação: “É uma indústria envolvente e interessante de trabalhar. Você trabalhará com algumas das pessoas mais intensas e aprenda algo novo todos os dias. As habilidades de multitarefa e organizacionais são muito importantes para que você possa trabalhar nessa indústria e ter sucesso. As mulheres que às vezes sentem que não estão sendo levadas a sério não devem ser derrotadas. Saibam que é apenas o resultado do que historicamente tem sido uma indústria dominada por homens e que você faz parte da mudança que está acontecendo! Seja sempre inteligente e fale de forma inteligente.”

Para cada mulher que entrou nos anais da história da aviação, há muitas mulheres que continuam contribuindo em todos os níveis da aviação comercial. Uma dessas mulheres é Caroline Werf, que trabalha na ACS desde 2012 como agente de cargas trainee. Ela começou a trabalhar inicialmente na Alemanha, depois no Reino Unido. Em 2014, assumiu a operação alemã e construiu uma equipe em todos os departamentos da ACS, incluindo carga, jatos particulares e jatos comerciais. Ela foi promovida a Gerente Regional da ACS para a Alemanha em 2015.

Caroline conta de suas experiências: “O fretamento de carga é historicamente um negócio dominado por homens. No começo, ser mulher era um grande desafio em termos de convencer clientes de longa data de que eu era experiente no campo. Depois de provar e me estabelecer, descobri que meus clientes eram leais a mim como sua gerente de conta. A ACS é uma ótima empresa que oferece experiência prática, o que, por sua vez, proporciona grande credibilidade aos seus clientes. Eu pessoalmente adoro desafios, então este é exatamente o campo de negócios que me deixa animada todos os dias.”

Capitães da indústria

Blue portrait of Janet Bragg wearing her pilot hat
Blue portrait of Janet Bragg wearing her pilot hat

Enquanto as mulheres sofriam preconceito de gênero em toda a indústria, para as "mulheres de cor" a situação era muito pior. Janet Harmon Bragg decidiu que se, como uma "mulher de cor", ela não fosse autorizada a voar em um aeroporto, então ela construiria o seu próprio.

Janet tornou-se a primeira mulher negra a se matricular na Escola de Aeronáutica Curtiss Wright, em Chicago, em 1928. Cinco anos depois, ela se matriculou na Universidade Aeronáutica, uma escola de aviação negra segregada, onde era a única mulher em uma classe de 24 homens. Em 1934, ela usou US$ 600 de seu próprio dinheiro para comprar o primeiro avião da escola e ajudou a construir seu próprio aeroporto em Robbins, Illinois, perto de Chicago. Janet foi a primeira mulher afro-americana a atingir a classificação de piloto comercial. Ela, junto com outros estudantes negros, iniciou a Challenger Air Pilot's Association. Sua paixão e dedicação foram suficientes para convencer o presidente Roosevelt a criar Programas de Treinamento de Pilotos Civis (CPTP) em faculdades negras e aeroportos de propriedade de negros. Somente após 1985 sua contribuição para a aviação foi reconhecida com o prêmio Bishop Wright Air Industry Award.

Na época em que Janet lutava contra os obstáculos do sexismo e da segregação, Olive Ann Beech – com a ajuda de seu marido, Walter - co-fundou a Beech Aircraft Company. Até a morte do marido, em 1950, ela trabalhou como secretária-tesoureira e diretora, depois se tornou presidente e CEO da empresa. Ela transformou posteriormente a Beech Aircraft Company em uma corporação internacional multimilionária.

Em1913, Katherine Stinson, a primeira mulher a voar pelo correio e a primeira mulher no mundo a ter uma escola de aviação, abriu a Stinson Aviation Company junto com sua mãe. Elas vendiam e alugavam aviões e, em 1917, Katherine viajou pela Ásia e se tornou a primeira mulher a voar no Japão e na China. Marjorie Stinson, irmã de Katherine, foi contratada como instrutora-chefe da escola de aviação de sua irmã.

Outro dínamo, Moya Olsen Lear, é hoje considerada a mãe da indústria de jatos executivos. Ela recebeu um diploma de bacharel na Ohio State University e no Pace Institute em Nova York, e em 1942 se casou com o pioneiro da aviação, Bill Lear. Moya é responsável por cuidar da equipe que desenvolveu o Learjet.

A canadense Elsie MacGill está registrada como a primeira mulher a obter um diploma em engenharia aeronáutica e a primeira mulher no Canadá a se formar em engenharia elétrica em 1927. Sua carreira incluiu trabalhar como engenheira aeronáutica na Segunda Guerra Mundial, onde ela se tornou a primeira mulher designer de aeronaves do mundo e foi carinhosamente conhecida como "Rainha dos Furacões". Ela passou anos na Canadian Car and Foundry (CC&F) em Fort William, Ontário e, mais tarde, dirigiu uma empresa de consultoria bem-sucedida e serviu como delegada da Royal Commission on the Status of Women no Canadá, entre 1967 e 1970.

Lyndee DuToit, CEO do escritório da ACS em Joanesburgo, abriu a filial na África do Sul em 2009 e passou os últimos 10 anos construindo a equipe a partir de dois departamentos – passageiros e carga – para três, que inclui jatos comerciais. Lyndee diz que recebe o pedido ocasional de "falar com o homem no comando", mas isso não prejudica uma carreira que ela descreve como rápida, desafiadora e gratificante.

"A indústria de cargas sempre foi dominada por homens", diz Lyndee. “Mas isso nunca me desencorajou e eu acho que as pessoas de cargas geralmente são muito simpáticas e divertidas. Sempre trabalhei o máximo possível para me destacar neste setor e para fazer o meu nome no mundo do frete. Não deixe ninguém te dizer que você não consegue. Com muito trabalho e determinação, você consegue alcançar qualquer coisa.”

Mulheres definindo recordes na aviação esportiva

Já em 1948, Betty Skelton Frankman venceu o Campeonato Internacional de Acrobacia Feminina em seu biplano Experimental Especial de Pitts, Little Stinker. E as mulheres também vêm desenvolvendo a aviação esportiva nos bastidores. Em 1953, Audrey Poberezny ajudou a fundar e operar a Experimental Aircraft Association (EAA) e levou a organização de um clube local para construtores de aviões amadores a uma organização internacional que abrange todos os aspectos da aviação esportiva.

Mulheres como Patty Wagstaff, nomeada a Primeira Dama Betty Skelton de Acrobacias por seis anos consecutivos de 1988 a 1994, e Melanie Astles, que se tornou cinco vezes campeã francesa de acrobacias e fez história competindo na Red Bull Challenger Cup 2016, ajudaram a fazer a aviação envolver bravura, ousadia e habilidades de piloto, e não gênero.

Isso está muito longe do primeiro National Women's Air Derby em 1929, quando as mulheres que voavam na corrida enfrentaram ameaças de sabotagem e manchetes que diziam: “A corrida deve ser interrompida.”

A indústria da aviação não pode crescer ou melhorar sem o envolvimento das mulheres

Four women in the Air force stood in front of a military plane at the women in aviation conference
Four women in the Air force stood in front of a military plane at the women in aviation conference

O número de mulheres envolvidas na indústria da aviação ainda é baixo. A promessa dos anos 1930, quando o número de pilotos do sexo feminino cresceu para 700 em apenas cinco anos, estagnou, em grande parte, com o número global de mulheres pilotos de linha aérea ficando em apenas 3%, segundo a Women of Aviation Worldwide Week. Nos EUA até 2014, cerca de 5% dos pilotos comerciais e de linhas aéreas certificados eram mulheres, enquanto representavam 25% das engenheiras aeroespaciais e menos de 6% dos cargos de nível executivo sênior nas empresas aéreas.

Países como a Índia e a China estão tendo mais sucesso atraindo pilotos comerciais do sexo feminino. Na Índia, as mulheres representam cerca de 11,6% dos pilotos e, até 2012, a China havia treinado mais de 300 mulheres pilotos e mais de 200 funcionárias aéreas auxiliares. Outros países e regiões que estão ativamente recrutando mulheres para a indústria da aviação são o Vietnã e a região da Ásia-Pacífico, Oriente Médio e África, onde, até 2016, sete dos 10 principais mercados para a velocidade de crescimento da aviação podiam ser encontrados.

Preconceitos de gênero na aviação ainda não são uma coisa do passado. Recentemente, em 1991, um passageiro não queria voar num avião da SN Brussels Airlines pilotado por Barbara Collinet, e apenas três anos atrás, sete passageiros viajando de Miami para Buenos Aires desembarcaram de um voo da American Airlines quando descobriram que estavam sendo pilotados por uma tripulação só de mulheres.

Trazer mais mulheres para a indústria da aviação é muito mais do que a coisa certa a fazer no que diz respeito à igualdade de gênero. O mundo está enfrentando uma falta crítica de pilotos. Há atualmente 30% menos de pilotos nos EUA do que em 1987. Tradicionalmente, cerca de 75% dos pilotos de linhas aéreas eram ex-militares, mas esse número caiu para menos de 33%. E a indústria enfrenta não apenas a falta de pilotos, mas também de mecânicos, técnicos e pessoal de aeroporto. De acordo com a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), mais de 190 aeroportos em todo o mundo têm o que é chamado de restrição de slots. Isso é uma falta de capacidade dos aeroportos para atender a demanda de tráfego aéreo em todas as horas do dia. Agora, adicione a isso o número de pessoas esperadas para viajar por transporte aéreo a cada ano – que deve dobrar nos próximos 20 anos para 7,8 bilhões, de acordo com a IATA.

Neste momento existe um mercado inexplorado de mulheres que poderiam ser trazidas para a indústria da aviação para não apenas aliviar a falta de pilotos e aumentar a capacidade dos aeroportos de processar e atender um número crescente de passageiros aéreos, mas também contribuir como fizeram através dos tempos à tecnologia, treinamento e eficiência da aviação.

Anna Goma Oliva é diretora de jatos particulares da ACS, na Espanha. Ela começou com a empresa de fretamento jatos particulares em 2013, depois de concluir um mestrado em engenharia aeronáutica e ocupar cargos em várias empresas aeronáuticas. Trabalhou até chegar ao cargo de diretora na ACS por meio de trabalho árduo e perseverança.

Anna diz: “Todos os meus trabalhos anteriores foram na indústria da aviação, mas devo dizer que eu era bem ‘crua’ quando comecei na ACS. Mesmo os agentes mais eficientes enfrentam algumas questões incontroláveis, como o clima, por exemplo, mas os momentos desafiadores da minha carreira tiveram a ver com encontrar as melhores soluções para meus clientes e manter a lealdade deles. É importante não desistir. Pode ser muito difícil no começo e, às vezes, muito frustrante, mas você tem que continuar trabalhando duro para se tornar um ótimo consultor de aviação. A experiência faz de você um agente mais confiante e confiável. Eu sempre tento prever qualquer possível problema e aconselho meus clientes. Tornar-se a agente número um na Europa tem sido realmente emocionante. A aviação é minha paixão e, diferentemente de meus empregos anteriores, sempre me senti motivada na ACS. Na verdade, no ano passado trabalhei até o dia anterior ao parto – você pode imaginar o quanto eu gosto do meu trabalho. Sou viciada nele!”

O tema do Dia Internacional da Mulher para 2019 parece feito sob medida para a indústria da aviação – vamos construir um mundo equilibrado de gênero que seja essencial para economias e comunidades prosperarem.

Como Amelia Earhart disse: "A maneira mais eficaz de fazer isso é fazendo".

Se você tem paixão por todas as coisas relacionadas à aviação, entre em contato conosco para falar sobre a variedade de oportunidades que oferecemos aos estudantes de aviação em todos os aspectos de suas carreiras acadêmicas.

  • GERENTES DE CONTA EXCLUSIVOS
  • SEM COMPROMISSO
  • 25 ANOS DE EXPERIÊNCIA
  • DISPONÍVEL 24 HORAS POR DIA, 7 DIAS POR SEMANA